20 livros para ler com 20 (e poucos) anos

Os 20 anos são uma época de transição entre a adolescência e a vida de adulto. Um período em que os jovens começam a explorar o mercado de trabalho (ou estão se preparando para tal ), têm seu próprio dinheiro, experimentam relacionamentos mais sérios e estão liberados para beber, votar e… serem presos  :-P.

A ideia aqui é listar livros que flutuem entre os relatos de começo da vida adulta e fim da adolescência (como “Persépolis”, “Feliz Ano Velho” e “Encontro Marcado” a) e, também, livros que sirvam de introdução à conceitos e ideias mais complexas que já podem ser apreciados com gosto por quem foi obrigado à ler os clássicos da literatura no colegial. Esta é uma boa hora pra se iniciar na literatura de Thomas Mann e Vladimir Nabokov, por exemplo, e para expandir suas ideias com os conceitos básicos do pensamento do antropólogo Joseph Campbell.

No mínimo, os livros sugeridos aqui vão deixar essa época da sua vida menos angustiante e mais divertida.

1) “Feliz Ano Velho, Marcelo Rubens Paiva

feliz-ano-velho-capa
Maior best-seller nacional dos anos 80, “Feliz Ano Velho”  é um clássico sobre a juventude com direito a sexo, drogas, começo do rock brasileiro e a típica crise do “e agora que virei adulto o que eu faço da minha vida?” O livro também é famoso por narrar o acidente que deixou seu autor tetraplégico.

2) “Zen e a Arte da Manutenção de Motocicletas, Robert M. Piersig
zen-manutencao-motocicletas-capa

Best-seller da filosofia pop, “Zen e a Arte da Manutenção de Motocicletas” narra as viagens de moto do autor e seu filho através dos Estados Unidos –  embalado por conceitos básicos do pensamento de gente como Aristóteles e Kant, misturados ao Tao oriental. Para abrir sua cabeça de maneira divertida e instigante.

3) “A  Insustentável Leveza do Ser, Milan Kundera

insustentavel-leveza-ser-capa

Qual a diferença entre sexo e amor? Escrito numa linguagem simples, mas carregado de conceitos filosóficos, A insustentável leveza do ser” funde erotismo, idealismo e um profundo mergulho no relacionamento entre homens e mulheres. Tudo ambientado na efervescente Checoslováquia  de 1968.

4) “Morangos Mofados”, Caio Fernando Abreu

Morangos-Mofados-capa

Outro símbolo dos anos 80, “Morangos Mofados” é um livro de contos do genial Caio Fernando Abreu que vai da astrologia à música, passando pela descoberta do sexo homossexual e serve de transição do hipismo dos anos 70 para os anos 80 com seus publicitários yupies, o medo da Aids e a redemocratização do Brasil.

5) Delta de Vênus, Anaïs Nin
DELTA-DE-vENUS-capa
Uma coletânea de aventuras eróticas criadas por Anïs Nin,
Delta de Vênus” pode ser sua ponte do sucesso “50 tons de cinza” para a “grande literatura” do século XX. Leitura picante e rápida, ideal para a (o)s jovens adulta(o)s descobrindo que são dona(o)s de suas vidas (e seus prazeres.)

6) “O Sol também se levanta”, Ernest Hemingway
o-sol-tambem-levanta-capa

Ernest Hemingway sempre figura nas listas de maiores escritores da história. “O sol também se levanta”, seu primeiro sucesso, pinta o cotidiano de jovens americanos morando em Paris depois da Primeira Guerra Mundial. Aqui Hemingway usa sua prosa direta e revolucionária para retratar o cinismo e futilidade da “geração perdida”.

7) “On the Road”, Jack Kerouac
on-the-road-capa
On the Road/Na Estrada” pode ser apreciado tanto por adolescentes rebeldes de 15 anos, quanto por jovens adultos de 20. Uma leitura juvenil inspirará sua vontade de colocar o pé na estrada e se livrar da autoridade dos pais e da escola. Numa segunda leitura, os buracos dessa “rebeldia sem causa” ficam evidentes dá lugar para o existencialismo que nos faz questionar para onde estamos indo e por que estamos indo tão rápido .

-Comprar “On The Road”

8)Persépolis“, Marjane Satrapi
Persépolis-capa

Cheio de humor, este clássico contemporâneo dos quadrinhos conta a história do Irã através da infância, adolescência e juventude de uma garota alternativa e inteligente. Ao mesmo tempo que você irá se identificar com as angústias universais do crescimento, uma aula de história vai correr – leve – diante de seus olhos.

9) “Alta Fidelidade”, Nick Hornby
alta-fidelidade-capa

Um dono de loja de discos resolve ir atrás de 5 ex-namoradas para entender o que deu errado em seus relacionamentos.  Grande marco da literatura pop, o livro de Nick Hornby mistura o clima de comédia romântica com quilos e quilos de referências musicais.

10) “Até o dia em que o cão morreu”, Daniel Galera
ate-dia-cao-morreu-capa

Primeiro romance do escritor Daniel Galera, “Até o dia em que o cão morreu” narra – de forma  minimalista – a vida de um jovem adulto de 25 anos que não consegue escapar de sua adolescência tardia (se identificou?). Dependendo dos pais para se bancar, mas morando sozinho, ele terá sua vida sacudida por uma modelo chamada Marcela e pelo cachorro que decide adotar.

11)“O Poder do mito”, Joseph Campbell
poder-mito-campbell-capa

“O Poder do Mito” é uma longa entrevista que explica as teorias do antropólogo Joseph Campbell, uma introdução básica a conceitos complexos que vão fazer você repensar sua vida. Campbell é o autor que influenciou o diretor George Lucas a criar “Star Wars”, que popularizou o “mito do herói” e que identificou semelhanças nas lendas de quase todos os povos que habitaram a Terra

12) “Morte em Veneza“, Thomas Mann
Morte-em -veneza-capa

Autor de obras gigantescas como “A Montanha Mágica”, o consagrado escritor Thomas Mann usa sua prosa profunda e complexa para contar, na novela “Morte em Veneza“, a atração obsessiva de um homem de meia-idade pelo belo jovem Tadzio. Em meio a tensão da paixão platônica, o leitor reflete sobre a busca humana – frustrada – da perfeição e beleza nas artes.

13)  “Encontro Marcado”, Fernando Sabino

o-encontro-marcado-fernando-sabino-capa

Publicado em 1965 “O encontro marcado” é considerado o retrato perfeito da geração de seu autor, mas sua temática universal serve de inspiração para jovens de qualquer época. A descoberta da literatura, do sexo, do amor e os primeiros passos no mercado de trabalho são narrados de forma bem-humorada, leve e instigante.

14) “A Casa de Bonecas“, Henrik Johan Ibsen
Casa-de-Bonecas-capa

Uma peça teatral sobre a liberação feminina (escrita no século XIX) para todas as meninas que viram jovens mulheres procurando encontrar voz e espaço num mundo – ainda – dominado por homens. 

15) Misto-Quente”, Charles Bukowski

resenha_bukowski_mistoquente1

Que adolescente nunca se sentiu feio e miserável com suas espinhas e a falta de amor? Bukowski cria nesse romance autobiográfico um retrato definitivo dos jovens perdedores. Seu personagem principal é feio,é pobre e passa os 21 anos narrados na história sem ter nenhum contato sexual ou romântico com uma mulher sequer.

16) “A Paixão Segundo G.H.”, Clarice Lispector
paixao-segundo-gh-capa

Todo existencialismo de seus vinte e poucos anos encontrará um paralelo à altura no denso existencialismo de Clarice em curtas 180 páginas.

17) “Madame Bovary“, Gustave Flaubert
madame-bovary

O tédio da vida de casada leva uma jovem burguesa sonhadora à infidelidade conjugal. Com essa premissa que se mostraria universal, Flaubert define o romance moderno e destaca uma característica da nossa sociedade idealista que não consegue se contentar à mediocridade do dia-a-dia e busca no prazer imediato o tempero para uma existência vazia.

18) “Não devemos nada a você”, Daniel Sinker

nao-devemos-nada-a-voce-capa

Você acha que sua juventude foi selvagem? Então leia os relatos de grandes nomes do punk rock mundial e inspire-se em suas histórias de “faça você mesmo”. “Não devemos nada a você” é um grande ode à esperança de que os jovens podem mudar o mundo e criar suas histórias de forma original e divertida.

19) “A Visita Cruel do Tempo“, Jennifer Egan
A-visita-Cruel-Do-Tempo-Jennifer-Egan-capa

Vencedor do prêmio Pulitzer de  ficção, “A Visita Cruel do Tempo” é um retrato cru do mundo das celebridades, cheio de citações de bandas punk rock e influenciado pela série Sopranos e o escritor Marcel Proust. Literatura contemporânea rock n’ roll.

20) “Lolita“, Vladimir Nabokov

lolita

Um dos livros mais consagrados da literatura mundial, “Lolita” narra – através de uma prosa perfeita e cheia de ironia e sarcasmo –  a paixão de um homem de meia-idade por uma menina de 12 anos. É uma introdução ao mundo dos clássicos da literatura e as contradições da vida real, muito longe da visão maniqueísta e heroica que costumamos ter na adolescência.

*O Buzz Feed também fez uma lista legal com 65 livros para os 20 anos e a Flavor Wire listou 20 livros para mulheres de 20 anos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

7 thoughts on “20 livros para ler com 20 (e poucos) anos

  1. Fred, adorei! Na minha lista eu tiraria algo (não sei o quê) para colocar Educação Sentimental, do Flaubert, e This Side of Paradise, do Scott Fitzgerald. Te desafio a fazer 10 livros para ler dos 10 aos 20 anos.

  2. Pingback: Livros para ler com 20 (e poucos) anos | Sistema de Bibliotecas UCS - Blog

  3. Pingback: 20 livros para ler com 20 (e poucos) anos | 3 l...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


oito + 9 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>